terras sem sombra 2017
Este festival tem como pano de fundo o Baixo Alentejo, realizando-se, em itinerância, nos concelhos de Almodôvar, Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Castro Verde e Beja.

Considerado um dos cinco melhores festivais do género na Europa, o Terras sem Sombra assenta em três pilares fundamentais, a música, o património e a biodiversidade.

José António Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, afirma que o país convidado desta edição é Espanha.

Os concertos programados realizam-se aos sábados, sempre em monumentos, maioritariamente igrejas que sobressaem pelo valor patrimonial e pelas condições acústicas. Mantêm-se também, nas manhãs de Domingo, as acções de voluntariado para a salvaguarda da biodiversidade dos concelhos que o Festival percorre.

Ainda segundo, José António Falcão, este ano, como novidade, o Terras sem Sombra abre as portas, em exclusivo, de espaços que estão normalmente fechados ao público, através de uma visita guiada, no sábado à tarde, pelas cidades e vilas que acolhem o Festival, o que representa uma magnífica oportunidade para conhecer o património mais representativo do Baixo Alentejo.

Na sua missão de incentivar e dar a conhecer os produtos regionais, todos os anos, o Terras sem Sombra destaca um produto de inquestionável referência, nesta 13ª edição o protagonista é o azeite da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches.

Este festival fundado em 2003, é da responsabilidade da Associação Pedra Angular, em estreita ligação com o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja e em parceria com várias entidades.

O programa completo do Terras Sem Sombra 2017 vai ser apresentado no próximo dia 26, em Serpa.

Comente esta notícia