greve pessoal não docente
Um protesto, decretado pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, que poderá levar ao encerramento de vários estabelecimentos de ensino.

Falta de pessoal e precariedade são dois dos vários motivos do descontentamento como afirma o sindicalista, Paulo Trindade.

O protesto surge ainda pela reposição das 35 horas semanais, contra a municipalização e em defesa da escola pública e de qualidade.

Neste dia fica ainda ao aviso se as reivindicações não forem atendidas, vão surgir outras formas de luta, que podem passar, entre outras iniciativas, por uma nova greve ou uma manifestação.

Comente esta notícia