HOSPITAL DE BEJA URGÊNCIAS

A presidente do Conselho Administração da ULSBA explicou que o CA não concordou com a redução de 34 camas proposta pela ARS do Alentejo, nem com a distribuição apresentada, porque previa um corte radical na cirurgia e ortopedia, que podia comprometer alguns resultados. Margarida Silveira esclareceu também que não houve margem de manobra para que não houvesse qualquer redução, porque a tutela deixou entender que o corte se faria na mesma, nem que fosse de forma unilateral. Reconheceu ainda, que a situação financeira delicada da ULSBA, dificultou o processo de negociação e impôs reduções nas camas e noutros aspectos relacionados com o funcionamento do Hospital José Joaquim Fernandes.

Margarida Silveira deixou claro no "Preto no Branco" que não explicou estes números mais cedo, por se tratar de uma matéria delicada, que não se decidiu de um dia para o outro e que só o fez agora, porque as decisões já podem ser faladas com a segurança devida.

O "Preto no Branco" quis saber como se chegou ao número 26 e Margarida Silveira disse que foi feita uma avaliação cuidadosa nas diferentes especialidades e que a decisão foi tomada, com base em dois pressupostos, não prejudicar a idoneidade formativa dos serviços e optando pelos males menores.

Sabendo que a redução maior afectou a oncologia, com 8 camas reduzidas, Margarida Silveira frisou que o Hospital de Beja nunca teve serviço daquela especialidade e garantiu que os doentes oncológicos continuam a ser tratados e internados na ULSBA, mas distribuídos de acordo com as patologias que apresentam, de forma a descansar utentes e famílias afectadas por doenças do foro oncológico.

Em 2013 já foram reduzidas e redistribuídas 14 camas e a proposta para 2014 é de reduzir mais 12, ainda sem data definida, mas que vão afectar a cirurgia, com 10, e a ortopedia, com 2. Neste contexto, Margarida Silveira realçou o facto, de nas várias especialidades médicas não ter sido reduzida uma cama. Garantiu, igualmente, que a Unidade de AVC não vai encerrar, mas que vai ter uma redução de camas, deixando número suficiente para situações agudas. Não conseguiu contudo, avançar o número de camas a reduzir nesta Unidade, dizendo que o mesmo ainda não está definido.

Sabendo que os meses de picos de internamento se aproximam e que são Janeiro, Fevereiro e Março, Margarida Silveira fez questão de referir que, apesar da redução de camas, vai ser possível distribuir esses pacientes pelas que ficam.

Quanto ao facto, de continuar por preencher a direcção clínica da ULSBA, Margarida Silveira disse que está a tratar desta situação e que a mesma não representa qualquer ilegalidade, na medida em que esta situação foi devidamente acautelada junto do Ministério da Saúde.


Comente esta notícia