Viola campaniça

Neste encontro estão em destaque violas tradicionais portuguesas desconhecidas da maioria do público que, ao longo dos anos, têm vindo a ser "preservadas". Durante dois dias, São Martinho das Amoreiras recebe músicos, etnógrafos e curiosos interessados na música tradicional portuguesa, que vão discutir "o que poderá acontecer com estes cordofones" e "o que fazer para que se mantenham vivos" no futuro.

O programa de sábado inclui uma mesa redonda de apresentação das violas de arame, dedilhadas pelos tocadores Pedro Mestre e Carlos Loução, José Barros, Ricardo Fonseca, Vítor Sardinha, Bruno Bettencourt e Chico Lobo, a inauguração de uma exposição de cordofones e um concerto de violas de arame. O dia termina com o espetáculo “Violas de arame concerto” agendado para as 21.00 horas, para o Centro Social de Amoreiras-Gare.

O segundo dia, domingo, integra oficinas de construção de violas de arame, um encontro de cante de improviso, despique e baldão e um magusto. O encontro termina, às 16.00 horas, com uma sessão de cante ao baldão, acompanhado à viola campaniça, na Taberna do Lagar, em São Martinho das Amoreiras, seguindo-se um magusto.


Comente esta notícia