Voltar

Opinião

"Abril"

Opinião

"Abril"

Foto: Rádio Voz da Planície

"Em Beja, em Évora, em Portalegre, no Litoral, por todo o Alentejo, em todo o País, decorrem já as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril", sublinha a crónica de Carlos Pereira, jornalista, que pode ler e ouvir aqui.

"Municípios e freguesias, o movimento associativo popular, escolas, politécnicos e universidades, grupos culturais, instituições como a União dos Resistentes Antifascistas Portugueses ou a Associação 25 de Abril, partidos políticos democráticos, assinalam com exposições, música, teatro, cinema, literatura e debates o cinquentenário da Revolução dos Cravos, considerada por muitos como um dos acontecimentos maiores do Portugal contemporâneo.

É fundamental celebrar Abril, lutar pela preservação da memória dos acontecimentos que, em 1974 e 1975, contribuíram então e nos anos seguintes para as transformações profundas do País e do seu relacionamento com outros Estados no mundo. E, deste modo, combater falsificações, manipulações e silenciamentos da História.

É importante transmitir às novas gerações o que foi a ditadura fascista e colonialista ao longo de 48 anos, um dos períodos mais sombrios de oito séculos de História de Portugal. É importante contar como o povo foi privado dos mais elementares direitos e liberdades, como os homens e as mulheres patriotas que ousaram resistir à opressão foram reprimidos, perseguidos, presos, mortos muitos deles, por lutarem pela liberdade e democracia e por melhores condições de vida e trabalho. É importante lembrar que o fascismo forçou milhares de portugueses à emigração – no país empobrecido, atrasado, obscuro não havia trabalho para todos – e impôs aos povos das colónias uma brutal opressão e exploração que culminou com 13 anos de guerra e milhares de vítimas.

E é importante recordar o que foi a Revolução de Abril, desencadeada pelo levantamento militar do Movimento das Forças Armadas e logo apoiada por um levantamento popular. E falar das conquistas revolucionárias – da instauração das liberdades democráticas fundamentais e dos direitos básicos dos cidadãos; da instauração da liberdade sindical e dos direitos laborais; do fim da guerra colonial e da contribuição para a independência dos povos africanos até então submetidos ao colonialismo português; da instituição de um regime de democracia parlamentar; da criação do poder local democrático; da Reforma Agrária e das nacionalizações de sectores fundamentais da economia do País; da consagração na lei da igualdade de direitos do homem e da mulher.

Hoje, num tempo em que lavram duas guerras, uma na Ucrânia e outra no Médio Oriente, que de um momento para outro podem alastrar, e em que forças de extrema-direita e fascistas ressurgem na Europa e no mundo, tão importante como celebrar os 50 anos da Revolução de Abril é continuar a defender os seus valores e a lutar pela sua concretização e consolidação – valores como a liberdade, a democracia, o desenvolvimento, a justiça social e, sobretudo, a paz."

Comente esta notícia

Leia também...


PUB
PUB

Revista RVP-Ovibeja 2024

PUB
PUB

Concertos

Taylor Swift aterrou no aeroporto em Beja

Acabou de tocar...

Grande feira do Sul 2024 registada pela Voz da Planície, em fotografias

BEJA meteorologia
Top
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.