Voltar

Opinião

"É fundamental cumprir o dever de votar para que não sejam os outros a decidir por nós"

Opinião

"É fundamental cumprir o dever de votar para que não sejam os outros a decidir por nós"

Foto: Ana Horta

"Este ano, na melhor das hipóteses, vamos ser chamados às urnas duas vezes, para as eleições legislativas e europeias. Na melhor das hipóteses, pois não há a certeza de que a nova constituição da Assembleia da República, que será eleita no dia 10 de março, aprove um novo Governo, e se tal não acontecer teremos de ter novas eleições legislativas", sublinha Ana Horta, na crónica que pode ouvir hoje, dia 27, na manhã informativa da Voz da Planície e ler aqui.

"Nos últimos anos, a participação dos eleitores portugueses diminuiu de forma drástica. Nas primeiras eleições livres votaram cerca de 92% dos eleitores e nas últimas, em 2022, votaram aproximadamente 51%, ou seja, pouco mais de metade dos eleitores inscritos. Portugal tem uma das taxas de abstenção mais elevadas de toda a Europa, e continua a crescer, principalmente, entre os mais jovens.

A abstenção ainda é maior quando falamos em eleições europeias. Segundo o Eurobarómetro, os portugueses são os que mais confiam nas Instituições Europeias, mas, paradoxalmente, são os que menos participam na escolha dos deputados europeus. Nas primeiras eleições, em 1987, a participação foi próxima dos 72% e nas últimas, em 2019, a participação rondou os 30%. Não consigo perceber a reduzida importância dada às eleições europeias, uma vez que é do Parlamento Europeu e das Instituições Europeias que vem parte substancial da legislação aplicada em Portugal e que condiciona muitas decisões com impacto no nosso dia-a-dia.

São várias as causas da elevada abstenção: desinteresse e descontentamento dos eleitores em relação à política e aos políticos; ato de protesto; alguma iliteracia política; a ideia de que o voto não vai influenciar o resultado do ato eleitoral; desvalorização do voto livre, um direito adquirido há cerca de 50 anos, resultado da luta de muitas mulheres e homens.

A boa saúde de um regime democrático supõe que a participação eleitoral não seja baixa. A elevada taxa de abstenção, em Portugal, mostra que temos uma Democracia cuja saúde se está a degradar e que precisa de “tratamento urgente”. Um dos maiores desafios que temos pela frente é conseguir mobilizar a sociedade para aumentar o número de votantes a cada eleição, e para tal tem de haver uma discussão alargada a todos os quadrantes da sociedade e agir para que a tendência de crescimento da abstenção seja invertida.

É urgente termos uma sociedade com maior participação cívica e literacia política. Sociedades mais informadas e com maior participação cívica são mais difíceis de manipular e menos vulneráveis a discursos fáceis de construir e ouvir, baseados na perceção enviesada da realidade e que à partida parece óbvia.

Preocupa-me o crescimento de partidos populistas e antissistema na Europa e em Portugal, que num dia dizem uma coisa, no outro seu contrário, e que propagam mentiras e meias-verdades.

Como será o futuro da União Europeia se a maioria dos deputados do Parlamento Europeu e dos Parlamentos de cada país que a integram forem antieuropeus e antissistema?

Será que é o que queremos? Eu, não!

O futuro do país e da Europa está nas nossas mãos, pelo que é de extrema importância exercer o nosso direito de voto. Ao fim de 50 anos de Democracia não podemos voltar atrás não podem ser só uns quantos a decidir o destino de todos."

Comente esta notícia

Leia também...


PUB
PUB

Música

Diogo Zambujo Lança single de estreia "O Mundo Sou Eu"

Acabou de tocar...

Grande feira do Sul 2024 registada pela Voz da Planície, em fotografias

BEJA meteorologia
Top
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.