HOSPITAL DE BEJA

O PCP afirma que ao longo do tempo denunciou e alertou para esta situação e recorda que foi colocada por diversas vezes, em 2006, 2011 e 2017 a possibilidade de encerramento da maternidade e que no ano passado, o Conselho de Administração da ULSBA informou o CODU-Centro Orientação de Doentes Urgentes de que não conseguia assegurar as escalas de médicos do serviço de urgência obstétrica, uma situação que culminou, no dia 6 de Janeiro deste ano, com o encerramento do serviço durante 12 horas. Esta situação implicou que grávidas tivessem que ter recorrido ao Hospital do Espírito Santo em Évora.

João Dias, deputado do PCP eleito por Beja, manifesta-se preocupado com esta situação e quer saber, junto do CA da ULSBA e do ministério da Saúde, o que está a ser feito para resolver este problema.

Tendo em conta a gravidade da situação, uma delegação da DORBE do PCP, onde vai estar João Dias, visita, na 2ª feira, a partir das 14.30 horas, o Hospital de Beja. João Dias garante que para além da denuncia também vai continuar a intervir na Assembleia da Republica para tentar resolver esta situação.



Comente esta notícia

Para pessoas da minha geração faz-me confusão, ou talvez por isso, por termos memória e não esquecermos o que há anos vem sendo denunciado, esta falência, de falta de médicos especialistas, era inevitável. Porquê? Quando há anos os governos de então apostaram em cortar essas especialidades, nos cursos de medicina. E agora os autores dessas " patrióticas? " aí andam a verter hipócritas lágrimas de crocodilo. Faz muito bem o PCP tomar essa iniciativa. É necessário que as pessoas tenham a noção que o futuro se vota SEMPRE quando há eleições.

Manuel Conceição

19/01/2019