Voltar

Atualidade

Acampamento pela justiça climática com ações na refinaria da Galp e no porto de Sines

Atualidade

Acampamento pela justiça climática com ações na refinaria da Galp e no porto de Sines


Um total de 27 coletivos nacionais reúnem-se, a partir de quarta-feira, em Melides, no concelho de Grândola (Setúbal), num acampamento “pela justiça climática”, que prevê ações e manifestações na refinaria da Galp e Porto de Sines.

O acampamento 1.5, “contra o capitalismo fóssil que se concentra no litoral alentejano, sob a forma da expansão massiva da agricultura hiperintensiva e da zona industrial de Sines”, realiza-se a partir de quarta-feira e até ao próximo domingo, avançou, em comunicado, a organização.

O ponto alto do evento acontece no sábado, com a realização de uma ação direta “não violenta” na refinaria da Galp em Sines, às 07:00, seguida de uma manifestação, entre o Jardim da República e o Porto de Sines, a partir das 15:30.

“Esta refinaria é a infraestrutura com as maiores emissões com gases de efeito de estufa em Portugal e continua a funcionar sem uma transição justa para os seus trabalhadores”, disse à agência Lusa a porta-voz da Climáximo para o acampamento 1.5, Leonor Canadas.

Na ação, “vamos apresentar o nosso plano pela transição justa, guiado pela ciência climática e liderada pelos trabalhadores e comunidades”, que “permita encerrar” esta infraestrutura “de uma forma justa”, responsabilizando “financeiramente a Galp e os seus acionistas”, explicou.

Durante a tarde, os ativistas vão realizar uma marcha até ao Porto de Sines, a alertar para a expansão da sua capacidade, com vista à “importação de gás fóssil” e contra o transporte e “exportação de animais vivos”, revelou.

O acampamento conta com a participação do coletivo Climáximo, a Academia Cidadã, a AmbientalIST, a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA), CIDAC, Circular Economy Portugal, A Coletiva, Dunas Livres, Frente Ativa pela Libertação Animal, GAIA Alentejo, GAIA Lisboa, GEOTA, Greve Climática Estudantil Lisboa, Habita e Humans Before Borders.

O movimento Juntos Pelo Sudoeste, Marca - ADL, NAPA - Núcleo Académico pela Proteção Ambiental, NASP - Núcleo de Alunos de Sociologia do Porto, Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos (PATAV), Precários Inflexíveis, ProTEJO, PT Revolution Tv, SOS Racismo, Sindicato de Trabalhadores de Call Center, Tamer e a Plataforma TROCA também fazem parte da iniciativa.

De acordo com este movimento pela justiça climática, o acampamento em Melides, que já conta com mais de 120 participantes, prevê a realização de formações, treinos, ações, debates e convívio.

“Num momento em que governos por todo o mundo aceleram rumo ao colapso, e mesmo perante a crise do gás ligada com a guerra na Ucrânia, a aposta é mais gás e expandir este sistema e a importação por Sines, é preciso assinalar inequivocamente e agir contra esta pulsão suicida”, lê-se no comunicado.

Também “as realidades do litoral alentejano” serão abordadas, com “testemunhos e reflexões das comunidades locais sobre a situação atual”, refere o movimento pela justiça climática.

As monoculturas agrícolas hiperintensivas, a gestão da água e dos solos, o trabalho semi-escravo nas estufas, a falta de transportes públicos e o encerramento de infraestruturas sem planos de transição para quem trabalha e para as comunidades locais vão estar em evidência.

Também as “monoculturas de alimentos e de painéis solares, os resorts de luxo e campos de golfe e o aumento da capacidade do Porto de Sines que importa gás fóssil e transporta animais vivos por milhares de quilómetros”, serão debatidos durante o encontro.


PUB
PUB
PUB

Música

Diogo Zambujo Lança single de estreia "O Mundo Sou Eu"

Acabou de tocar...

Grande feira do Sul 2024 registada pela Voz da Planície, em fotografias

BEJA meteorologia
Top
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.