Voltar

Atualidade

Odemira: plano de inclusão e "espécie de Balcão do Cidadão" para migrantes

Atualidade

Odemira: plano de inclusão e "espécie de Balcão do Cidadão" para migrantes

A Câmara de Odemira está a construir um plano de inclusão para a população migrante e a “trabalhar com o Governo” para criar “uma espécie de Balcão do Cidadão”, com tradutores, dedicado a esta população. 

“[Queremos] desenvolver um plano proativo de inclusão” para que “parte destas pessoas não sejam temporárias”, mas sim “habitantes em definitivo no concelho de Odemira”, avançou o presidente da câmara, Hélder Guerreiro. 

Em entrevista à agência Lusa, o autarca revelou também que um outro projeto centrado nos trabalhadores migrantes, no qual tem estado “a trabalhar com o Governo” e que, “em princípio, vai começar em maio”, assenta no “reforço dos serviços de interesse geral” no concelho. 

Uma das ações concretas deverá passar pela criação no concelho de “balcões dedicados à população migrante”, para que esta possa “ter, com os tradutores, um serviço descentralizado”, no fundo, “uma espécie de Balcão do Cidadão dedicado à população migrante”, indicou. 

“Isto não obsta a que as pessoas que não sejam migrantes possam recorrer” a esse serviço, quando o projeto for concretizado, mas vai contribuir para “aliviar os serviços de interesse geral da sede do concelho”, como as finanças ou segurança social, que estão “muito pressionados por todos os dias, terem muita gente a acorrer aos serviços”, acrescentou. 

Na entrevista à Lusa, autarca disse também que a câmara pretende criar oportunidades, em termos de habitação, que permitam fixar “pelo menos 3.000 pessoas” no território. 

“Tal como estamos a lançar um conjunto de ofertas [habitacionais] para os jovens do concelho, pensamos que o alargamento desta oferta permitirá que algumas destas famílias [estrangeiras], que vivem cá há muitos anos e vão cá ficar, tenham oportunidade de se estabelecer neste território”, indicou. 

Por isso, o autarca estimou que, “pelo menos 3.000 pessoas” possam fixar-se no concelho de Odemira, “o que mais cresceu do ponto de vista demográfico no país”, de acordo com os Censos de 2021. 

“Fazia pouco sentido que não conseguíssemos garantir” que o aumento populacional “não fosse não só contextual, como também estrutural para o futuro”, frisou, defendendo que é preciso que “esta capacidade” de atrair pessoas, “agora seja continuada”. 

O autarca indicou ainda que o município já enviou convites “a todas as entidades” para que, no espaço de “dois a três meses”, seja construído o plano de inclusão e possam ser desenvolvidos “projetos de integração proativos” que permitam “encontrar condições” para que os imigrantes no concelho “tenham uma vida boa”. 

O plano vai permitir “perceber quais as qualificações destas populações”, sublinhou o autarca, acrescentando que a população migrante trabalha não só na agricultura, mas “em quase todas as áreas da atividade económica” do concelho. 

Segundo Hélder Guerreiro, “nenhum autarca” ou Governo “seria capaz de dar uma resposta imediata àquilo que são todas as preocupações, necessidades e desafios que um fluxo demográfico deste tipo, seja em quantidade, seja em diversidade, cria num território que não estava mesmo preparado para responder a uma questão destas”. 

“Agora, a única coisa que temos mesmo de fazer é assumir que, de facto, o concelho de Odemira é um concelho multicultural e que precisa de respostas complexas e múltiplas a todas estas situações”, concluiu. 


PUB
PUB

Revista RVP-Ovibeja 2024

PUB
PUB

Concertos

Taylor Swift aterrou no aeroporto em Beja

Acabou de tocar...

Grande feira do Sul 2024 registada pela Voz da Planície, em fotografias

BEJA meteorologia
Top
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.