Voltar

Atualidade

Plataforma para os direitos das mulheres assinala dia para a eliminação da violência

Atualidade

Plataforma para os direitos das mulheres assinala dia para a eliminação da violência

O dia internacional pela eliminação da violência contra as mulheres, que se assinala na sexta-feira vai ser marcado por iniciativas da Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM) que incluem uma conferência e uma marcha, anunciou a associação.

O dia será marcado pela conferência de abertura dos “16 dias pelo fim da violência contra mulheres e raparigas”, uma campanha da PpDM, em Lisboa, seguida de uma marcha, às 18h30, que se inicia na Praça do Comércio e termina no Jardim Roque Gameiro.

De acordo com a associação, o primeiro dia da campanha foi designado como o “Dia cor de laranja” pelas Nações Unidas para acabar com a violência contra as mulheres.

A cor laranja simboliza um futuro livre de violência servindo como forma de demonstrar solidariedade e, segundo a plataforma, será utilizada na iluminação de edifícios e no uso de roupa. Serão iluminados espaços públicos como a Assembleia da República e a Estátua de D. José I na Praça do Comércio.

De acordo com o Observatório de Mulheres Assassinadas e a União das Mulheres Alternativa e Resposta desde o início do ano que, em Portugal, 28 mulheres foram assassinadas, “22 femicídios nas relações de intimidade” e seis assassínios, três deles “em contexto familiar”, um “em contexto de crime”, um “por discussão pontual” e um “em contexto omisso”.

Segundo o manifesto da PpDM, sete em cada 10 jovens normaliza a violência, sendo que mais de metade das jovens em relações de namoro já sofreram alguma forma de violência psicológica ou física. Ainda segundo o mesmo documento, mais de seis em cada 10 jovens mulheres sofreram formas de violência sexual com base na partilha não consentida de imagens e nove em cada 10 vítimas de violação são mulheres, sendo os violadores homens.

“A violência contra as mulheres e raparigas é uma das formas mais extremas da desigualdade. Manifesta-se de múltiplas formas, incessante e recorrente, ocorre durante todo o ciclo de vida, e não conhece fronteiras geográficas, económicas ou sociais”, refere o manifesto.

O programa da campanha promovido pela PpDM, em cooperação com a Câmara Municipal de Lisboa, envolve conferências, debates, cinema, campanhas ‘online’, ações em escolas, entre outros, durante 16 dias, abordando as diferentes formas de violência contra as mulheres e raparigas.

O Programa conta com a participação de mulheres sobreviventes de violência que entregam a sua voz.

A campanha “16 dias pelo fim da violência contra mulheres e raparigas” conta com mais duas conferências, uma a 02 de dezembro e outra a 10, dia internacional dos direitos humanos, que finaliza a campanha, refere a associação.

O Programa está disponível em https://fimdaviolencia.pt/.

Neste contexto, a Estrutura Federativa das Mulheres Socialistas do Baixo Alentejo manifesta a sua indignação e repúdio, por todas as formas de violência contra mulheres, todas as situações que colidam com o respeito pelos direitos humanos e atentem contra os princípios constitucionais da igualdade, da não discriminação e da dignidade humana.


PUB
PUB

Revista RVP-Ovibeja 2024

PUB
PUB

Concertos

Taylor Swift aterrou no aeroporto em Beja

Acabou de tocar...

Grande feira do Sul 2024 registada pela Voz da Planície, em fotografias

BEJA meteorologia
Top
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.