pobreza

“O responsável sublinhou, também, que «não basta ter um qualquer dinheiro para ter uma vida adequada à dignidade humana, é preciso ter um rendimento adequado, que possibilite satisfazer as necessidades familiares». «Por outro lado, salientou que há muita gente que tem dificuldade em aceder a empregos mais bem pagos porque lhes falta as qualificações necessárias.»

Nesse sentido, defendeu que falar da necessidade de um trabalho digno implica também uma política de formação em educação, sobretudo pensada nos mais novos, "para que eles não fiquem fora do emprego qualificado". «Senão, não conseguimos sair desta situação», avisou.

De acordo com o presidente da EAPN Portugal, a pobreza no nosso país é estrutural e, por isso, requer «uma intervenção transversal de vários ministérios».

Quanto ao facto de não haver uma estratégia nacional de combate à pobreza desde 2015, Jardim Moreira frisou que isso foi não só um retrocesso em relação ao trabalho que estava a ser feito, como o «ignorar e fechar os olhos à realidade nacional». «Foi um erro de justiça para com as pessoas mais vulneráveis», rematou.”


Comente esta notícia